HomeDesign09 Dicas de usabilidade para fazer sua intrerface!

09 Dicas de usabilidade para fazer sua intrerface!

Design

rafaelcastro | 03/out/2017


Como já sabemos, para elaboração de uma interface, vários fatores são importantes para que ela atinja um objetivo pré determinado. Porém, um dos fatores que mais influenciam no sucesso de sua interface é a usabilidade. Nesse post vamos ver algumas dicas que são indispensáveis na elaboração de sua interface, seja ela web, app, sistemas, etc.

Dica 01 – Interações Simples

Sua interface tem que ser simples para que o maior número de pessoas possa interagir com ela de maneira satisfatória. Isso pode ser percebido em uma interface nos feedbacks ou na quantidade de passos que você tem que fazer para realizar uma tarefa importante. Para fazer isso, é muito importante definir o público alvo, e quais são as principais interações e solicitações que serão feitas por esses usuários. A maneira com que isso pode ser considerado executado com sucesso, é quando o usuário executa as ações importantes sem perceber que está executando.

Dica 02 – Comunicar-se com o Usuário

No início, os computadores eram tidos como equipamentos que só poderiam ser utilizados por profissionais qualificados e, ainda assim, não eram vistos como uma ferramenta muito eficaz. Isso se dava porque as interfaces e as interações eram feitas por códigos e comandos, ou seja, uma linguagem muito técnica, que realmente não era de domínio popular. O que mudou com o tempo, então? As interfaces passaram a ser mais simples, as ferramentas começaram a ser utilizadas por todos e os computadores passaram a ser uma ferramenta fundamental para o funcionamento da vida moderna. Na web também podemos perceber essa evolução. No início, os sites levavam pouco em consideração a parte estética e os quesitos de usabilidade, enquanto que hoje, se o site não fornecer uma boa experiência ao usuário, muitas vezes ele passa a não ser lido. Todas essas mudanças se deram porque falar a língua do usuário e fazer com que ele entenda o funcionamento de uma forma tão natural, que não pareça ser ensinado, é fundamental no sucesso de qualquer produto, ainda mais nos meios digitais.

 

Dica 03 – Liberdade de Uso

Hoje, está muito em voga a questão da responsividade, da pessoa poder acessar qualquer conteúdo, de qualquer lugar e forma, seja num celular, tablet, tv, etc. Enfim, temos uma infinidade de dispositivos para uso e acesso aos produtos, e isso é uma forma de liberdade de uso sim, e é fundamental quando se projeta algo. Porém, quando falamos em liberdade de uso na usabilidade, trata-se de dar vários caminhos para que o usuário defina a melhor maneira de realizar a tarefa e fornecer a esse usuário o controle sobre todas as ações e, como futuro desafio, permitir que o mesmo possa customizar as ferramentas oferecidas pelo sistema. As soluções digitais de maior êxito são as que permitem que as pessoas possam usá-las da maneira que se sentir melhor.

Dica 04 – Manter o Padrão

Para tornar esse uso mais fácil, é importante que um sistema, site, aplicativo ou qualquer interface mantenha um padrão, seja em suas cores principais, fontes escolhidas, iconografia aplicada, enfim, é de suma importância que existam elementos que indiquem, para quem vai utilizar aquela ferramenta, que ele está dentro do mesmo produto e que a forma de usar é a mesma que ele já conhece. Isso faz com que as pessoas reconheçam as interações e consigam perceber que tal aplicação se usa de determinada forma. Isso é importante para manter uma boa curva de aprendizado e sinalizar as principais ferramentas e interações.

Dica 05 – Evitar Erros

As pessoas não tem que pensar como você, muito menos usar algo como você imaginou. Porém, se dentro de um sistema, site ou aplicativo seu exitam passos que necessitem executar, é importante um direcionamento para que os usuários não errem no uso e com isso o índice de satisfação, dentro das suas aplicações, seja maior. Isso pode ser feito através de interfaces claras e objetivas, com a indicação certa do que precisa ser feito. Para isso, nada mais explicito do que um tela de login, onde no campo nome você pode colocar uma mensagem como: “Digite seu nome aqui”, e mais, validar tal campo para que o mesmo aceite apenas fontes. Esse exemplo parece meio óbvio, porém, quando se projeta, é preciso pensar que diferentes pessoas, de diferentes níveis, vão utilizar aquela interface e interagir com aquele sistema, e quanto mais fácil for essa interação mais avaliações positivas, recomendações e pessoas utilizando seu sistemas você terá.

Dica 06 – Design Minimalista

Interfaces menos poluídas e mais atrativas fazem com que os usuários percebam melhor as informações e, com isso, tenham mais proveito no uso das aplicações. Existem várias técnicas para definir quais informações mais importantes devem constar na primeira tela de sua interface, uma delas é a Mobile First, que se baseia em pensar primeiro em telas menores e depois ir expandindo esse conteúdo para telas maiores. Porém, basta apenas retirar o conteúdo mais denso da frente dos usuários. Temos que pensar em como apresentar esse conteúdo para que os passos seguintes sejam tão suaves e atrativos quanto o primeiro, fazendo com que o usuário encontre tudo o que precisa da forma mais fácil e que tenha interesse em retornar ao seu sistema por diversas vezes.

Dica 07 – Fácil Uso

A dica que todos sabem, porém, mais do que saber temos que aplicar, projetar interações e interfaces que sejam mais fáceis possíveis de usar e, ainda, que esse quesito pareça redundante e, óbvio, não o é. Pois, projetar aplicações fáceis de usar é bem difícil, e alguns pontos são cruciais, o primeiro deles é: nem tudo que é fácil pra você é para os outros. Quando projetamos levamos muito em consideração nossas experiências na forma de usar e interagir com as ferramentas, mas temos que pensar, primeiro, em quem vai utilizar a interface, e são para essas pessoas que o uso precisa ser fácil. Então, testar com o usuário e ouvir tudo que o mesmo possa indicar, é sempre super importante. Outro ponto bem importante, também, é fazer com a pessoa que vai interagir com seu sistema tenha o que busca com o mínimo de passos necessários para execução. Facilidade de uso tem inúmeros pontos relevantes, porém se você aplicar esses dois, a maioria dos seus usuários irá avaliar bem seu sistema.

Dica 08 – Mensagens de Erro Claras

Quando você erra, é muito importante entender em que você errou e como esse erro pode ser evitado. E, naquele momento, a informação mais importante é como ele pode ser resolvido. Em nosso uso, passamos por situações frente a sistemas e interfaces onde o usuário fica completamente perdido, sem saber o que fazer e qual seria o próximo passo. Podemos exemplificar isso com a clássica tela azul ou, ainda, o assustador “ERRO FATAL”,  que, além de usar palavras que usuário talvez associe de forma equivocada, não o ajudam em nenhum momento na resolução. Como já falado anteriormente, nem tudo que é fácil para você também será para outras pessoas. Então, quando pensarmos em mensagens de erros, temos que tentar avisar o que houve e, se possível, direcioná-lo a alguma resolução possível.

Dica 09 – Ajudar o Usuário

Por fim, no caso de não conseguir evitar erro, ainda não conseguindo resolver facilmente por lá, é de suma importância que se pense em uma tela de ajuda e que a mesma tenha acesso fácil. E, quando o usuário acessá-la, que a mesma tenha informações relevantes, que de fato possam ajudá-lo com seu problema. Outra dica é utilizar sempre essa seção de sua aplicação, de preferência com as principais dificuldades encontradas, por quem usa a aplicação e sempre colocar as buscas da forma mais fácil.

 Referência total no post, as Heurísticas de Jackob Nielsen, com esse conteúdo espero ter ajudado e caso queira ver nossos trabalhos entre em Progride.com e fique ligado que sempre tem conteúdo novo no Blog da Progride.

Saudações e nos falamos no próximo post!